apagamento

Magrofobia? Tem certeza?

Eu sempre fui gorda. Como qualquer mulher criada dentro da estrutura social do patriarcado e que não pensa sobre sua condição, sempre detestei ser gorda. Foi por causa da minha forma física que eu saí – ou, melhor dizendo, fui praticamente expulsa – do meu primeiro emprego, como modelo fotográfica e de passarela. Foi por causa da minha forma física que eu sofri bullying por muitos anos, desde a escola primária até o colegial. Enfim, meu corpo gordo, que só deixou de sê-lo muito recentemente e de forma desagradável, sempre foi fonte de irritação para mim. Não é pouco dizer que eu sempre odiei ser gorda, e só nos últimos três anos comecei a compreender que eu não precisava me odiar por isso; pelo contrário, podia me amar e muito sendo gorda, e inclusive porque sou gorda. A culpa de todas essas coisas que sempre aconteceram comigo não era minha, muito embora os outros fizessem questão de dizer que eram.

Se você é gorde, você não tem opção. Você precisa emagrecer. Não é uma coisa que cabe a você decidir; é claro, você pode decidir permanecer gorde, mas não é sua competência avaliar se você realmente tem a necessidade de emagrecer ou se pode continuar do jeito que está. Não importa se você é feliz sendo gorde. A sociedade decidiu, muito antes de você nascer, que gente gorda é gente doente, porque tem placa de gordura no coração e no fígado, tem pressão alta, tem problemas de coluna, tem diabetes, tem síndrome metabólica e mais outras mil doenças para as quais a correlação com a obesidade é forte. Você pode até continuar gorde, mas vão te julgar como uma pessoa preguiçosa, desleixada, que não cuida de si mesma. Porque se cuidar significa ser saudável, e ser saudável significa ser magre. É completamente inconcebível para a sociedade que uma pessoa gorda possa ser saudável sendo gorda, e, quando é, não poderá ser feliz, porque pessoas gordas não são amadas, não são respeitadas, não são colocadas no mesmo patamar de pessoas magras. Quem não se lembra da Perséfone, da novela Amor À Vida, que ficou durante mais da metade da história sendo ridicularizada por ser gorda e virgem? Pode parecer apenas um exemplo escrachado, mas assim é a vida de muitas mulheres gordas: lembradas cotidianamente do quanto são patéticas e “mal-amadas” por serem gordas.

Não estou dizendo que as doenças que citei anteriormente não têm nenhuma ligação com a obesidade. É claro que, se você é uma pessoa gorda, você precisa ir ao médico regularmente, especialmente se houver algum caso de diabetes, hipertensão, câncer, arritmias e outros problemas geneticamente herdados na sua família. O problema é que pessoas magras também precisam ter esse tipo de cuidado consigo mesmas, mas elas não são cobradas disso, porque seu tipo físico não está constantemente lembrando os outros que aquela pessoa pode ter algum problema de saúde. Muitas vezes, a gordura não incomoda tanto a pessoa gorda quanto incomoda os outros ao seu redor, e é aí que mora o preconceito. É aí que começa a ficar absurdo falar em “magrofobia” – da mesma forma que é absurdo falar em “heterofobia”, “brancofobia”, etc. Pessoas magras podem sofrer bullying por ser magras? É claro que podem, mas sofrer bullying não caracteriza preconceito. A diferença entre preconceito e bullying é tênue, mas, analisando um pouquinho a situação toda, é possível delineá-la: bullying é uma atitude cruel, maldosa em relação a uma pessoa; preconceito depende de uma estrutura social criada para discriminar aquela pessoa. Existe bullying sem preconceito, sim, e é esse o caso das pessoas magras. Não existe uma estrutura social criada exclusivamente para discriminar pessoas magras. Pessoas magras não são demitidas por isso; elas não têm sua saúde monitorada cotidianamente por causa disso; não choram em provadores de lojas porque nenhuma, absolutamente nenhuma roupa em nenhuma loja cabe nelas; não são cobradas por sua forma física por pessoas completamente desconhecidas; não são censuradas ao comer um sanduíche, um sorvete ou qualquer coisa que não seja uma folha de alface com um copo d’água; e não sofrem prejuízos em relações sociais por conta da sua magreza.

Se você leu até aqui e está pensando que eu acho que pessoas magras absolutamente não sofrem, você leu errado. As pessoas consideradas “magras demais” sofrem com alguns dos aspectos que eu listei no parágrafo anterior, no que diz respeito ao quanto comem e como vai sua saúde, mas isso também não é magrofobia por um motivo bastante simples: não é institucionalizado. Pessoas magras demais não são excluídas da seleção para a vaga de vendedora no shopping por serem magras demais. Pelo contrário, aliás: essas pessoas eram exaltadas no mundo da moda até muito recentemente, e ainda o são em alguns espaços. Ser muito magra é o sonho de muitas meninas gordas, e não é difícil inferir, a partir daí, que a violência contra pessoas gordas seja muito mais escancarada e legitimada por uma estrutura social.

Quando eu era criança, minha mãe costumava me dizer, para aumentar a minha autoestima, que “a gordura só incomoda os outros”. Ela não estava errada. O crime de ser gorda extrapola a falta de saúde, a falta de beleza ou a falta de autoestima; ele ofende os outros muito mais profundamente do que pode ofender a pessoa gorda. Falar em magrofobia numa sociedade que ojeriza corpos gordos de forma institucional é como falar em heterofobia ou cisfobia no contexto LGBTfóbico em que vivemos; por que, então, tem tanto militante da causa LGBT invalidando pessoas gordas que clamam sofrer gordofobia em espaços de militância?

Anúncios

“Você não existe”: o peso da deslegitimação

Não sei até que ponto posso dizer que sofro preconceito por ser demissexual. Tenho váries amigues homossexuais e conheço pessoas trans* que sofrem muito mais com a sociedade cis-heteronormativa do que eu, então, talvez, chamar o que sofro de preconceito seja um pouco presunçoso demais. O fato é que, bem como ocorre com as outras orientações sexuais e com as identidades de gênero trans*, há um estigma rondando pessoas assexuais, e a forma mais recorrente pela qual ele se manifesta é o apagamento, ou a deslegitimação.

Deslegitimar alguma coisa é deixar de reconhecê-la como autêntica, ou seja, passá-la a um status de “falsa”, “imprópria”. Com pessoas assexuais, isso acontece de diversas formas. A que mais escuto, enquanto demissexual, é clássica: “mas todo mundo é assim!”. Por mais inofensiva que pareça para quem a profere, essa frase me causa enjoos, náuseas, indigestão e dores fortes no peito, seguidas de ataques de impaciência que tento controlar antes de começar a explicar que não, isso não é verdade. Dizer a um demissexual – ou a qualquer outra pessoa – que “todo mundo é assim” não é inseri-lo num contexto mais amplo, não é fazê-lo se sentir bem-vindo no grupo, e também não é demonstrar empatia; é, pura e simplesmente, deslegitimar sua orientação sexual. Ao dizer a uma pessoa demissexual que “todo mundo” compartilha de sua orientação sexual, se está igualando essa pessoa ao hetero/bi/pan/homossexual que pratica sexo casual, por exemplo, o que invalida todas as experiências pelas quais aquela pessoa já passou simplesmente por ser assexual. Eu, por exemplo, já fui várias vezes excluída de grupos sociais devido à minha orientação sexual, principalmente durante a adolescência, e dizer que minhas experiências românticas e sexuais são idênticas às de qualquer outra pessoa no mundo é ignorar completamente esse e outros fatos da minha vida – além de ser uma grande ignorância, porque nenhuma experiência sexual/romântica é igual, não importa a orientação sexual dos envolvidos.

Outra forma de apagar as orientações assexuais é dizer que “isso não existe” ou que “é doença”. Essa última forma é a mais cruel. Patologizar – ou seja, transformar em doença – uma pessoa, sua essência, o que ela é, é uma crueldade sem tamanho; a maioria des homossexuais e transgêneres deve se identificar, já que a homossexualidade era considerada doença até algumas décadas atrás, e a transexualidade ainda o é. É simplesmente absurdo dizer que uma pessoa homossexual é doente e precisa ser tratada por um psiquiatra ou psicólogo para se livrar disso, haja vista as inúmeras manifestações que ocorreram contra parlamentares brasileiros após tentativas de incluir esse tipo de “tratamento” nas pautas da saúde do país; por que, então, ainda é aceito que se trate uma pessoa assexual como um ser doente, de baixa libido, que necessita ter seus “traumas de infância” devidamente tratados para que possa recuperar uma “vida saudável”? Já me cansei de ver, em revistas femininas, principalmente, aquelas propagandas clamando que “sexo é vida” e que, se você não tem uma libido considerada “normal” ou “aceitável”, precisa procurar um médico neste momento, porque pode ter uma doença muito grave. É tão grave assim ser assexual? É tão ruim, a ponto de ser amplamente difundido como doença, que uma pessoa simplesmente não queira fazer sexo? 

E qual o problema, afinal, de tanta gente apontando na nossa cara que não existimos ou que somos doentes? Nós devemos mesmo nos importar com a opinião de pessoas que não estão no nosso grupo de relações e com as quais podemos nunca nos encontrar na vida? Sim, nós devemos. A deslegitimação pesa, e, infelizmente, tem alto poder de convencimento. Eu mesma passei anos da minha vida buscando soluções médicas para a minha falta de libido, o que me causou uma grande tristeza. Me sentia – e ainda me sinto, de certa forma – constantemente forçada a ter intenções sexuais com pessoas, o que me deixava tensa e abatida por nunca conseguir. Além disso, justamente por não ter segundas intenções com ninguém, sou muito lenta para entender quando as pessoas as têm para comigo, e vivo num estado constante de alerta, como se fossem me atacar a qualquer momento, de todos os lados, simplesmente porque, apesar de saber que sou assexual e que essa é uma orientação sexual válida, passei a maior parte dos meus anos acreditando no contrário, e o que está enraizado é difícil de ser tirado.

(Atenção: se você ou qualquer parente/amigue/cônjuge seu já teve níveis de libido considerados dentro dos padrões e sofreu uma queda brusca nesses níveis, a ponto de incomodar, essa pessoa DEVE ser aconselhada a procurar atendimento médico. Transtornos psiquiátricos graves, como depressão, se manifestam precocemente com diminuição da libido; no entanto, cabe a essa pessoa decidir se vai ou não buscar ajuda médica. Lembre-se sempre de que a sexualidade de uma pessoa pertence apenas a ela.)